quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Por quem?

Por quem?
7 de Março de 2016
Cantamos cantiga
eu e muitas outras
Por nós as invisíveis
contra o aborto e guerra
que mata sim as pobres
Refugiam-se pela terra
Condenada era errante
Que condena o pé andante
Calejado pela guerra otária
Declarada pela burguesia
Dita proletária e feminista
Seu rolê ativista é protagonista
Que é branco e ‘transformador’
Não vai até meu bairro opressor
Nem passa o chapéu que preciso
Que não anda de trem nem riso
Mas canta a revolução dor de ciso
Na praça coitada São Salvador.
(Novembro, 2016)

Nenhum comentário:

Postar um comentário