sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

ÁGUA LUA

Aqueles pedaços de água dela
Caíam pelos olhos
Escorriam pela perna
Suando os poros

Abriu-se em poços
Sem medo de doar
A água para lavar
Os dois corpos

Sem medo do vulgar
Em carne crua
Doando a lua
Que é seu lugar

Aqueles pedaços
De água a queimar
os cacos usados
Jorrado em luar

Um comentário:

  1. "Sem medo do vulgar
    Em carne crua
    Doando a lua
    Que é seu lugar"
    Adorei \o/

    ResponderExcluir