quinta-feira, 27 de junho de 2013

Digital

Tentando brincar de poeta digital. Experimentar outras linguagens é sempre bom, um dia aprendo mais.



NÃO

NÃO
Não se anseia
Não se cança
Não se espera
Não se lança
Não se envolve,
pois assim
Não se resolve.

SOBRE FOTOS RASGADAS DE 62




Aquele casamento falso entre nós dois
o cheiro de champagne com crianças jogando arroz
era apenas outro dia em 1962
Nas bodas arranjadas pelos pais dos dois

E ainda assim me entreguei àquela tonteria
desabrochando flores de um bouquet em romaria
e quarenta anos depois cortei lembranças deste dia
Em pranto e transe em uma sala de psiquiatria

Em uma manhã cinza e fria, onde os sabiás cantaram
De laranjeiras pairaram, como no dia em que o vi
Com seu terno, guiando cavalos, diante de carros caros
Em meio ao caos em minha mente eu nunca o esqueci

E em transe, seu doutor, me calo, e em hipnose paro
Lhe implorando de esquecer a dor, de apagar a cor,
pois na sorte de um disparo, perdido em desamparo
Em um instante ele se foi, sem adeus em desamor

E antes de acabar a consulta, me leve até a sepulta para ver o meu amor
Que em 50 anos de insulta, de casamento, dor e multa
Com charutos e fotos, ainda lembro de seu olhar sonhador

Apague-me a memória seu doutor, e jogue fora nossos anos
Desapega os meus enganos, permitindo em minha cura abandonar a dor
Sem tarjas da consulta, sem plano, sem insulta
Sem ler a própria bula, só lhe peço, seu doutor

Mesmo que eu esqueça minha bula, me permita andar na rua
Sem memórias, sem sentir sozinha, essa minha interminável dor.

SUICÍDIO MUSICAL


SUICÍDIO MUSICAL 




Só sustenindo o dó
Sem ré para seguir o par
Um gole de nota maior para acordar, e sorrir
Porém tardiamente menor a noite vem caminhar
LentaMente em rostos perdidos, com a tonalidade a cair

Rostos vagueantes sem rumo aparente
Eloquente pelo caminho de meu fim
Esperando enfim, algo que nem sei explicar
Uma dose de álcool, um cigarro, um tossir de pigarro
Uma dose de roda e realidade em engrenagem
Quem tenha a coragem necessária para me matar.

TERRENO BALDIO

TERRENO BALDIO


Sob os destroços de um terreno baldio, 
os tijolos estilhaçados se despediam do teu cheiro ao meio fio
e em adeus forçado evito aquele caminho, de memória e vinho
onde assombrada evitava o caminhar

E ao jurar, falsamente, que esqueci, retomei a rota que evitara
E em surpresa um arrepio me para, fazendo o reconstruir de um derradeiro,
Já que pelo terreno baldio inteiro, me volto a transbordar sem beira, 
pois uma casa de madeira ali é reconstruída

Como o sonho de partida, que era teu e em mim o fez,
Volto-me novamente destruída,  sentimentos em derradeira
Como lenha da lareira que queima em meu sonhar outra vez

Sigo em frente sem poder parar, me perguntando se um dia
poderia ter tudo aquilo que o mundo me faz lembrar,
pois a cada dia que creio te esquecer
o mundo me força em pedaços a te presenciar.


domingo, 23 de junho de 2013

EXPLODIR ESTRELAS

EXPLODIR ESTRELAS




Estrelas caiem queimantes, ardendo aceleradamente como passos em direção oposta
Estrelas caiem do céu em gritos agudos, em explosões de vidas entrepostas
Permitindo ouvir cada passo invisível por de trás de uma madrugada fria
Dos fantasmas infiltrados em gélidos toques que ninguém via
Rumando pelas vielas, olhando para trás em meio à rua vazia,
Sobre estrelas em braços de quem jamais me sentia
Estrelas caiem do céu sob o verso em que ali escrevia

E ao pico explosivo do brilhar de outras estrelas passeantes
Admiro a luz que cai prata sobre orvalhos verdejantes,
E sob a memória de teu olhar frio e sonhos inconstantes
Estrelas caiem sob um fio de nossos sonhos errantes,
Amantes do tempo, em segundos de teus intocáveis instantes

 Sigo a admirar o brilho de estrelas em memória do que era esquecido
Sabendo que o brilho que sigo, pode a milhares de anos ter se tornado pó
Pois a distância em anos luz cria ilusão de brilho, explodindo em poeira,
Arrancando um fio são de uma nota inteira, em um universo tocado em dó,

E sigo só, ao admirar o cair de uma estrela, que pode não existir,
Tão longínqua que ao se esvair explodiria sem mostrar-se por dentro
E em meu próprio tempo, em meu ano luz me esvaio sem poder sorrir,

pois a cada estrela que ruir, em seu brilho torpe grita explosiva que me lembro.

floyd feelings

THE GREAT GIG IN THE SKY UPON THE REVOLUTION





Revoluções evoluem em rumo ao caminho de contrariações
Em construções de miragem sobre um caminho torto
Tropando em viagem de expiações
Os passos cansados de guerra doentia, a maré que seguia um fluxo impermeável
Os passos desfigurados seguiam um fluxo circular de golpe e revolução
Os passos perdidos se encontram ao chão

E após refletir em existência, em coesa e simplória consciência
Jogo-me novamente  ao mundo em espontaneidade
Em uma mesa de bar me deixo a vontade, esquecendo um pouco da fervência
Sentindo mais da inconsciência febril de uma juventude tardia
Que grita fria finalmente por nova resistência

Sem desistência me jogo ao som, ao encontro de um brilho em outro tom
De cores e vozes indefinidas, de lábios e toques em matéria desprendida
De cigarros esvoaçantes sobre a  bondade e malícia misturada de estranhos

Em canho e canto, pelo encanto de um show que pouco lembro
Jogo-me ao realento de um novo encontro
Enquanto em pouco percebo e me atento
Que finalmente liberto em outro ponto

Em um sonho lúcido de derretimento, me desatento
Realinhando um grito anteriormente preparado e pronto
Acordo de um show no céu ouvindo os gritos a dizerem que me lembro
Lembrando de cores vívidas em ponto,  do sonho em que me atento

Eu tento, jogando no intento em que me encontro
E finalmente salto desprendida do próprio desprendimento 
E flutuando me parto e parto em humilde agradecimento
por aquele breve e marcante encontro.

quarta-feira, 5 de junho de 2013

C#

BLUES EM 4 VERSOS (C#)

Um dia só, sustenindo o dó

Canto sem luz e encontro o blues
Chorando eu só apago a luz
Arrancando seu paletó.